Se engana quem pensa que Inteligência Artificial e automação é assunto apenas para as grandes empresas. Boa parte das companhias brasileiras estão entendendo que precisam simplificar suas operações e buscar como automatizar processos para diminuir seus gastos. As empresas da área de finanças, por exemplo, precisam buscar como ser cada dia mais eficientes. Mas todas as empresas, de qualquer setor ou tamanho, estão se dando conta que existe oportunidade para melhorar seus processos com a tecnologia.

Diminuição de gastos operacionais

Além disso, muitas companhias estão buscando diminuir seus gastos operacionais. O Gartner Group (empresa americana que desenvolve tecnologias relacionadas a introspecção necessária para tomada de decisões) disse que, em 2024, as organizações tentarão diminuir os custos operacionais em mais de 30% combinando automatização com melhores processos. E essa automatização tem muito a ver com IA. Além disso, em 2024, mais de 70% das companhias grandes terão mais de 70 iniciativas ou projetos, ao mesmo tempo, relacionados com automatização e IA.

O uso da IA vem ganhando cada vez mais força. Antes a preocupação era a de que a Inteligência Artificial substituiria os humanos, mas já se provou que a IA irá apenas ajudar a melhorar a automatização de processos, tornando-os mais produtivos e proveitosos.

Previsões do mercado

Temos muitas estatísticas que mostram que os gastos globais em IA aumentarão. Segundo a IDC (International Data Corporation), os gastos globais com Inteligência Artificial chegarão a US$ 110 bilhões em 2024. Segundo a pesquisa, até 2023 um quarto das empresas irão adquirir pelo menos um projeto de software de IA e suas vertentes, como machine learning e deep learning.

“As pessoas se confundem o que é IA. Nós vemos a Inteligência Artificial como uma oportunidade de ser capaz de analisar dados, saber quais são as tendências do negócio e obter informações que podem dar detalhes para melhorar as operações. Por isso, eu acredito que a IA se aplica para todas as empresas”, Juan Perez, CIO da Salesforce.

No setor financeiro, por exemplo, o big data já é considerado essencial. Assim é possível estudar qual o melhor modo de tratar, analisar e obter informações a partir de conjuntos enormes de dados que não podem ser analisados por sistemas tradicionais em um curto espaço de tempo.

Aí entra a cooperação humano-máquina. Com as informações em mãos e cruzando as variáveis desse grande volume de dados, as empresas ganham novas possibilidades de insights competitivos para tomadas de decisão mais assertivas.

A tendência é que a tecnologia seja disseminada em alinhamento com o machine learning, deep learning e big data, impulsionando a digitalização e escalação das empresas. Isso que irá garantir que os gastos globais em IA aumentarão cada vez mais.