O que é Bancarização? 

A Bancarização consiste na integração do maior número de pessoas possíveis no sistema financeiro nacional. Assim proporcionando acesso aos diversos serviços financeiros oferecidos pelos bancos e fintechs. 

Logo, ser bancarizado significa possui acesso a uma conta corrente de qualquer tipo, uma conta poupança e algum tipo de empréstimo, segundo o relatório do II Fórum Nacional Banco Central sobre Inclusão Financeira. 

E o que são pessoas Desbancarizadas? 

O termo é usado para se referir a pessoas que não possuem acesso a serviços bancários, ou estão sem movimentar suas contas nos últimos seis meses. 

A Bancarização e a COVID-19 

Uma pesquisa realizada pela Locomotiva aponta que em 2019 cerca de 45 milhões de brasileiros não possuíam contas bancárias. Ou seja, o que equivale a um em cada três brasileiros (acima de 16 anos). Em outras palavras, haviam mais de 800 bilhões de reais, por ano, circulando sem serem aplicados em bancos. 

A pandemia da COVID-19 impactou tais dados, fazendo com que o número de desbancarizados caísse em 73% em 2020. O distanciamento social e o uso de contas digitais aceleraram o processo de bancarização no Brasil. De acordo com dados do BC (Banco Central), trazidos em artigo da Folha, 9,8 milhões de pessoas iniciaram relacionamento com instituição financeira desde março de 2020. E segundo o levantamento trazido pela Rede Jornal Contábil, os bancos digitais são a conta principal de 14% dos entrevistados em 2020. 

Apesar disso tudo, o número de desbancarizados no país ainda é alto, somando 34 milhões de pessoas. Em janeiro de 2020 29% dos brasileiros não possuíam contas em banco ou não movimentaram a conta no mês anterior. E um ano depois esse número caiu apenas para 21%. 

É interessante trazer que, em 2018, uma pesquisa do Banco Central apontou cédulas como o modo de pagamento mais comum entre os brasileiros, com um total de 96,1% de pessoas que afirmavam usá-las, e 60% as tinham como preferência. Já em 2020, no período maio-agosto, as transações digitais deixaram de ser apenas 5% para alcançarem 63% das transações totais realizadas, e os saques caíram de 35% para 15%. Porém, segundo o presidente do Instituto Locomotiva, em 2021 ainda há 30 milhões de pessoas desbancarizadas que usam dinheiro vivo. 

Auxílio emergencial 

O auxílio emergencial teve um importante papel para a bancarização durante a pandemia.

Isso porque muitas pessoas tiveram contas abertas pela Caixa Econômica Federal, justamente por precisar receber o auxílio. 

Qual a importância da Bancarização? 

A inclusão da população no sistema bancário tem como objetivo proporcionar ferramentas de controle financeiro. Assim, para que possam gerenciar o próprio dinheiro da melhor maneira possível. 

A cidadania financeira, direitos e deveres que possibilitam o gerenciamento dos bens e recursos próprios, possui a bancarização como uma de suas bases. E segundo o Banco Central, suas premissas básicas são: Inclusão financeira; Educação financeira; Proteção ao consumidor dos serviços financeiros e a Participação. 

O Coordenador do Centro de Estudos em Microfinanças e Inclusão Financeira (Cemif) da Fundação Getulio Vargas, ressalta que ter conta em banco não é sinônimo de inclusão financeira: 

A inclusão financeira inclui três dimensões, de acesso ao banco, uso e qualidade. Ela não é uma bala de prata, mas contribui para o aumento do bem-estar, por acesso a serviços como crédito, poupança, meios de pagamentos e seguros, por exemplo, e certamente traz benefícios para a economia” – Lauro Emilio Gonzalez Farias

 A Multi-bancarização 

A multibancarização é resultado da busca por serviços especializados e produtos complementares aos oferecidos por bancos tradicionais, de acordo com o relatório anual de Tendências de Pagamento, da Minsait Payments e Indra, empresa global de consultoria e tecnologia, autora do estudo. Isso pode indicar que muitos players digitais estão se especializando, observando a tendência à multibancarização. 

O Brasil é o país em que a multibancarização mais cresceu, estando entre os dez países analisados na América Latina e na Europa. Já em 2018, menos da metade da população adulta bancarizada e com acesso à internet (47,2%) havia contratado um produto ou serviço em mais de uma instituição financeira. E em 2019, a proporção passou para 6 1,8%. 

Apesar dos bancos digitais terem um aumento expressivo de clientes em 2020, somando aproximadamente 65 milhões de usuários, os bancos tradicionais ainda representam aproximadamente 80% das transações financeiras.